quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

pelos cantos do sol tenho a certeza do traço de luz no teu rosto
quebrando a rotação da terra

bebo-te pelas palavras e as consoantes

distantes do mundo maravilhado de luas floridas
árvores de contas no cantinho do jardim dos verbos por começar
onde meninos de sorrisos à espreita fazem novas conjunções
supostas promessas ao deus do sol
para que o inverno cruel não nos adoeça os ossos do coração
e nos plante veias de coragem nas cearas dos olhos
certezas evidentes do apressado sangue a pulsar-nos a respiração
segredos desnudos de mais um dia.

Zé Afonso

2 comentários:

Virgínia do Carmo disse...

Apetece-me apenas dizer, em jeito de prece, que o inverno cruel não nos adoeça os ossos do coração.

Belíssimo.

Um grande beijinho Zé, e votos de um excelente Natal

Rosário disse...

dos meus olhos as cearas perderam-se nos teus versos, numm enlevo de terna contemplação. palavras sempre doces e sábias a formarem Poemas bons de ler e reler vezes sem conta...

já falatavas :)

beijinhos Zé